Colunas e Textos

Se não fosse as mudanças, não seria eu

28, out, 2016 Ingrid Tanan

“…mas não adianta voltar a ontem, porque eu era uma pessoa diferente.”

Alice no País das Maravilhas.

***

Antes de começarmos, por favor, feche os olhos e pense em você por 10 segundos.

Pense em quem você era, quem você é, e em tudo que você passou para chegar até aqui. Pense nos medos, desesperos, alegrias, sofrimentos, sorrisos, perdas e ganhos. Pense em ontem, em uma hora atrás. Vamos lá, você tem 10 segundos – deixa o filminho da vida rolar aí.

Agora, aqui, de volta. As coisas mudam, né?

Você não é mais o garoto que se escondia atrás da aba do boné na escola. Você não é mais a menina que abaixava a cabeça quando entrava num lugar cheio de pessoas. Você provavelmente não é mais o rapaz assustado que encara sua primeira entrevista de emprego. E não, você não é mais a moça que se conforma com as injustiças da sociedade.

Você mudou. E você é você.

E quanta transformação esse mundo ainda nos reserva! Quantas oportunidades em cada esquina? Quantos abraços para curar dor? Quantas barreiras para vencer medos? Quantos “não” até que seja “sim”?

Observemos e apreciemos a mudança como ela é… porque se ela não parte de você, parte do mundo, das coisas. A vida é cada segundo que se vive e eles sempre tomam uma forma diferente.

Somos um paradoxo. Uma mudança constante no desejo de permanecer o mesmo, mas até para isso queremos ser diferentes. Somos quebra de paradigmas todos os dias. Somos essa metamorfose ambulante, como diria Raul, e, por favor, que essa realmente seja nossa preferência.

Se não fosse assim, não seria você. Não seria eu. E ser você é bom.

Digo isso porque, ser eu, assim, é bom. Como na frase que dá início a esse post: ontem você era diferente. E amanhã também!

Você é a constante mudança desse universo.

Agora, volte para os 10 segundos iniciais… Agradeça a todas as coisas que fizeram de você quem você é, e abrace o que vem aí, afinal o que muda é novo, e o que é novo fortalece.