destaques Resenhas

#Resenha: Turma da Mônica – Laços, de Lu Cafaggi e Vitor Cafaggi

02, jan, 2019 Eduardo Roberto

Livro: Turma da Mônica – Laços

Número de páginas: 80

Autores: Lu Cafaggi e Vitor Cafaggi

Editora: Panini Comics

Gênero: Aventura

Lançamento: 2015

SINOPSE:

O Floquinho desapareceu. Para encontrar seu cachorro de estimação, Cebolinha conta com os amigos Cascão, Mônica e Magali e, claro, um plano ´infalível´. Em ´Laços´, os irmãos Vitor e Lu Cafaggi levam os clássicos personagens de Mauricio de Sousa a uma aventura repleta de emoção, lembrança e perigos.

 

“É um cachorro filho. Ele vai ser o seu melhor amigo” 

Dona Cebola (Mãe do Cebolinha)

 

A Graphic Novel premiada no 26° Trófeu HQ Mix em duas categorias (Edição Especial Nacional e Publicação Infanto-juvenil), está com um filme baseado previsto para junho e chegou a hora de você ficar por dentro da história. Será que é tudo isso mesmo?

A história começa em uma breve passagem no passado, nos mostrando o dia em que o Cebolinha ganhou o seu cachorrinho verde, o Floquinho. Logo já estamos nos dias atuais e de cara conferimos Cebolinha e Cascão em mais uma de suas alucinantes fugas da Mônica, após mais um plano “infalível” dar errado, onde mais uma vez Sansão era o alvo. Magali por sua vez, se acaba em um carrinho de cachorro-quente enquanto observa tudo. Minutos mais tarde, quando já estão chegando em casa após uma surra, os meninos se deparam com um aglomerado de pessoas em frente à casa do Cebolinha: Floquinho fugiu. O que acaba deixando o garoto devastado e sem conseguir sair de sua própria cama.

No dia seguinte, tentando animar o amigo, Cascão e as meninas após se desculparem, entregam folhas em branco para o garoto, esperando que ele bolasse um plano infalível para encontrar seu cachorrinho. Os quatro partem daí então para uma aventura, prendendo pôsteres e perguntando para todos. Só que nem todas as pessoas são agradáveis como pensamos e isso faz com que Mônica tenha que “usar” o Sansão algumas vezes, levando nossos pequenos heróis a conflitos futuros.

Os desenhos, por sua vez, trazem os traços dos Cafaggi que transmitem através deles a sensibilidade que a história procura trazer. Uma harmonia que casa bem. Que consegue te cativar, tocar você de alguma maneira. Um complementa o outro e ainda assim conseguem funcionar em suas formas individuais.

A história consegue te prender e faz com que você queira acabar tudo em um dia, além do mais, não é algo difícil de se fazer. É curtinho. No máximo horas para terminar. É uma releitura dos personagens que já conhecemos que funciona muito bem. Todos mantém suas essências, trazem referências que nos faz viajar de volta para os quadrinhos do Mauricio de Souza, tudo em um diálogo das personagens e fortificam os laços que já tínhamos com eles e nos faz querer criar novos.

  Fica aí uma ótima sugestão de leitura para você que quer saber o que acontece antes da estreia do filme.