Resenhas

[ATUALIZADO] #Resenha: Para todos os garotos que ja amei, de Jenny Han

14, ago, 2018 Wellington Rafael

Título: Para todos os Garotos que ja amei
Autora: Jenny Han
Editora: Intrínseca
Ano: 2015

Sinopse: Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou — cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos. Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar.

Bem, esse foi meu livro de estreia da Jenny Han, nunca havia lido um livro da autora e confesso que estou apaixonado por ela. “Para Todos os garotos que ja amei” foi uma leitura envolvente, divertida, emocionante e de muita reflexão. O livro trata muito de temas reais e atuais, Jenny Han escreve uma história em que o amor é a chave de tudo, gostosa de ler e cheia de perdão e vida! Definitivamente, você deveria ler esse livro.

Lara Jean é uma garota tímida e fechada, é a filha do meio, sua irmã mais velha se chama Margot e a mais nova Kitty. Depois de perderam a mãe muito cedo, as três meninas tiveram que amadurecer de uma hora para a outra e começar a viver uma vida que não estavam na hora de aprender a viver ainda, passaram a cuidar do pai e das rotinas domésticas. Margot, que é a irmã mais velha, tomou o posto de liderança entre as irmãs logo que começaram a ter a responsabilidade de cuidar de tudo, porém Margot está indo para a faculdade e tal responsabilidade será de Lara – que não sente estar preparada para tudo isso ainda. Como ela irá preparar o jantar? Como irá levar Kitty para a escola se tem medo de dirigir? Como irá lidar com o tempo de escola sem sua irmã mais velha do lado?  Como irá cuidar do pai sozinha?. Fora tudo isso que Lara tem enfrentado, misteriosamente, as cartas de desamor que um dia ela escreveu – quanto queria desabafar e dar um fim ao amor que sentia – foram enviadas para os garotos que um dia ela amou. O que significa que, provavelmente, ela terá que enfrentar garotos bravos, magoados e infinitamente surpresos com os sentimentos nunca ditos pela certinha da Lara Jean. É mole ou quer mais?

“Não são cartas de amor no sentido mais estrito da palavra. Minhas cartas são de quando não quero mais estar apaixonada. São cartas de despedida. Porque, depois que escrevo, aquele amor ardente para de me consumir. Posso tomar o café da manhã sem me preocupar se ele também gosta de banana com cereal; posso cantar músicas românticas sem estar cantando para ele. Se o amor é como uma possessão, talvez minhas cartas sejam meu exorcismo. As cartas me libertam. Ou pelo menos deveriam.”

O livro não é um romance como eu pensei que seria, ele trata muito do amadurecimento das pessoas. Fica muito claro para o leitor que Lara é dependente da irmã mais velha, Margot, porém com todas as mudanças que vão acontecer, o processo de amadurecimento de Lara dá um salto e enorme e com o decorrer da história você consegue através das atitudes de Lara, perceber o quanto ela vai deixando de ser uma simples menina. Depois da morte da mãe, Lara se fechou mais ainda, o que a deixou com medo, por isso não tem amigos, não sai de casa, ama garotos mas não conta isso a eles, e mantém há anos o segredo de uma paixão proibida. Sendo assim, o livro é sobre o amadurecimento da protagonista, o que me deixou mais cativado pela história. Lara terá que deixar de lado o medo e se tornar uma pessoa forte, porque não será um processo fácil.

“A forma como tudo acontece é um tipo estranho de serendipidade. Como um desastre de trem em câmera lenta. Para que uma coisa dê errado de um jeito tão colossal e horrível, tudo precisa acontecer na ordem certa e no momento certo, ou, nesse caso, no momento errado.”

Uma história encantadora que me surpreendeu no final. Ninguém é exatamente como pensamos que seja, sempre há algo dentro de alguém que pode te conquistar pro resto da vida. Uma protagonista que cresce, se desenvolve e amadurece com você, uma família unida e amorosa, amores perdidos e nunca encontrados, garotos românticos e cafajestes. Estou muito curioso para ler a continuação – sim, tem continuação. Leiam, leiam!

Duologia

Para todos os garotos que já amei é uma duologia composta pelos livros: Para todos os garotos que já amei e PS. Ainda te amo.

O amor é assustador; ele se transforma; ele murcha. Faz parte do risco.Não quero mais ter medo.