Resenhas

Resenha: Outlander – A viajante do Tempo

21, set, 2016 Laryssa

Título: Outlander

Subtítulo: A viajante do Tempo

Autor: Diana Gabaldon

Ano: 214

Páginas: 800

Editora: Saída de Emergência

Sinopse: Em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial, a enfermeira Claire Randall volta para os braços do marido, com quem desfruta uma segunda lua de mel em Inverness, nas Ilhas Britânicas. Durante a viagem, ela é atraída para um antigo círculo de pedras, no qual testemunha rituais misteriosos. Dias depois, quando resolve retornar ao local, algo inexplicável acontece: de repente se vê no ano de 1743, numa Escócia violenta e dominada por clãs guerreiros. Tão logo percebe que foi arrastada para o passado por forças que não compreende, Claire precisa enfrentar intrigas e perigos que podem ameaçar a sua vida e partir o seu coração. Ao conhecer Jamie, um jovem guerreiro escocês, sente-se cada vez mais dividida entre a fidelidade ao marido e o desejo. Será ela capaz de resistir a uma paixão arrebatadora e regressar ao presente?

Claire é uma mulher forte que acaba de trabalhar como enfermeira na Segunda Guerra Mundial, casada com Frank Randall – historiador. Os dois ficaram separados cinco anos. Durante a guerra ele foi mandado para realizar o treinamento de oficiais do M16, enquanto ela atuou como enfermeira. Em prol de restabelecer o relacionamento, os dois embarcam em uma segunda lua de mel em Inverness na Escócia, eu sei, até o nome já é muito romântico, apesar disso o maior motivo de Frank – que é obcecado por sua árvore genealógica – é descobrir mais sobre seus antepassados. Claire entediada com o passatempo do marido se concentra no seu – botânica – e vai a uma antiga construção circular de pedras onde havia visto um ritual tradicional com o marido, para colher algumas ervas. Quando começa a se sentir entranha e tenta ir embora, ela se dá conta que não está mais no mesmo lugar, mas sim em um terra estranha com pessoas vestidas de modo antiquado e montadas a cavalo. Depois de ponderar ela percebe que voltou no tempo, 200 anos antes do seu. É ai que ela conhece o ruivo e lindo Jamie e a história começa a ficar muito mais interessante… Pois é, quem diria que eu conseguiria ler um livro de 800 páginas em uma semana, e eu só não terminei antes por que convenhamos, trabalhar é preciso.

Claire é maravilhosa! Forte, decidida, adaptável, apaixonada, inteligente, esperta, acho que até moderna demais para o seu tempo, no geral a maioria dos personagens não condiz exatamente com o comportamento conhecido de acordo com linha temporal em que existem nesse livro – mas quem liga neh?? É inegável que ela é apaixonada pelo marido, e inicialmente todos os seus planos são para voltar para os braços dele. Só que depois de ser sequestrada, ela lida com a situação com louvor, se mostrando útil com diversos conhecimentos médicos e cuidando do tempestuoso e inconsequente Jamie.

Frank honestamente… É realmente entediante, ele tem a sua sensibilidade e carisma – mas é pouco. Fiquei convencida e comovida por sua relação com a protagonista, mas não tinha como não torcer por Jamie, inclusive a escrita de Diana é toda voltada para o que eu passei a chamar de “AME JAIME”. Perdi a conta dos meus suspiros e dores de estômago por causa desse livro. Jamie é bronco, violento, irresponsável e adorável – sabia compreender Claire como ninguém, nobre e fiel aos amigos, tinha plenos momentos de gentileza e romantismo que só Deus viu!

Capa, Diagramação e Escrita: Gosto da capa, tem uma mistura de bucólico com vibrante incrível – as cores e a cena combinam perfeitamente com o livro. A diagramação é simples, e convenhamos a fonte poderia ser um pouco maior, mas é polida e adequada. A única ressalva que tenho, é que carregar o livro por aí, e não ter o conforto de ler apoiado em uma superfície é cansativo (isso por que eu leio em qualquer lugar, meus livros são viajantes, mas se você ler só em casa isso não é um problema). A escrita é surpreendente, como essa mulher consegue transformar uma história simples nessa obra de arte e sem ficar cansativo?!? Claro que há trechos que poderiam ser cortados, mas eles não pesam na leitura, a escrita é fluida, dinâmica e muito interessante.

Concluindo: Estou elegendo Outlander o melhor romance histórico que já li na vida – e eu já li muitos – leio romance histórico dês dos meus 10 anos, e Diana enriqueceu essa história de forma maravilhosa, além da temática da viagem no tempo e os pequenos detalhes reais sobre a Escócia e procedimentos médicos e sobre botânica, o romance é envolvente e bem desenvolvido. Não se assustem com o tamanho do livro, descubram o mundo maravilhoso de Diana Gabaldon.