Resenhas

Resenha: O Homem Invisível – H.G Wells

20, mar, 2017 Laryssa

Título: O Homem Invisível

Autor: H. G. Wells

Ano: 2017

Páginas: 200

Editora: Zahar

Sinopse:Uma mistura fascinante de humor e ficção científica, gênero que Wells ajudou a estabelecer e no qual se consagrou. Os habitantes da pacata Iping têm toda razão de não conseguirem falar sobre outra coisa. O desconhecido que se hospedou na pensão local está sempre coberto da cabeça aos pés, com o rosto inteiramente envolto em bandagens. Além disso, chegou trazendo um verdadeiro laboratório portátil e um rastro de mistério, que aumenta ainda mais quando crimes começam a acontecer e quando se descobre que o homem é… invisível! Sucesso desde a publicação, em 1897, O Homem Invisível mistura humor e ficção científica, além de ser também um belo livro sobre solidão, incompreensão e os laços entre o indivíduo e a humanidade. Essa edição, com o selo de qualidade Clássicos Zahar, traz o texto integral, mais de 90 notas, cronologia de vida e obra de Wells e uma instigante apresentação. A versão impressa apresenta ainda capa dura e acabamento de luxo.

Quando Dr. Griffin chega em uma pequena vila européia, suas vestimentas fechadas e comportamento grosseiro causam muita estranheza na população local.  Depois de muita especulação e acontecimentos estranhos ocorridos na vila, os moradores descobrem que o Doutor na verdade não apresenta forma visível, disfarçando seu estado com faixas e roupas – e se aproveitando da situação para “aprontar”. A trama na verdade trata da ganância e arrogância humana, em como lidamos com o poder e até que ponto somos capazes de chegar em determinadas situações. De certa forma a ideia de Wells é desperdiçada, apesar da temática incrível e engraçada, se a história fosse voltada para um objetivo mais escuso, um thriller por exemplo, seria muito mais emocionante!

Dr Griffin é um cientista albino, que trabalhou incessantemente para descobrir a fórmula da invisibilidade. Na casa dos trinta anos ele parece se sentir oprimido e excluído por conta de sua anomalia – e sua grande descoberta científica acaba se tornando sua maldição. Apesar do Dr não ser um vilão de fato, acho que sua personalidade se aproxima mais da sociopatia; Além de não se importar com os demais, em prol de sua pesquisa ele sacrifica inclusive pessoas “amadas” e princípios comuns. Seu ego e arrogância continuam evoluindo, sobrepujando qualquer discernimento humano e sensato – uma personalidade incrível mas, novamente mal aproveitada, a sociopatia em alguns momentos se confunde com loucura, e o autor nos estimula a questionar e ponderar os objetivos do protagonista em comparação ao senso comum (apesar do pano de fundo da trama parecer “batido”, tendo em vista que o livro tem mais de 100 anos, a trama é muito atual).

Capa, Diagramação e Escrita: Amo capa dura, e a ilustração da Zahar suaviza a temática e combina com os segmentos irônicos e engraçados incluídos no começo da trama. O tamanho da fonte é ideal e a diagramação é simples e polida. A escrita do autor é inteligente, elaborada e muito atual (amei como ao relatar a pesquisa do protagonista, ele incluiu detalhes fidedignos á química, física, fisiologia e etc – além da acurácia dos fatos, é como se quisesse nos fazer acreditar que a invisibilidade orgânica é possível).

Concluindo: Apesar de amar ficção científica – e conhecer a história faz alguns anos – não me interessava pela leitura de O Homem Invisível, fui surpreendida pelos caminhos e objetivos da trama e do autor. Sinceramente os comentários me incomodaram, (como eu tenho uns “tocs” eu não conseguia seguir a leitura sem ler os comentários, e isso descontinuava a leitura de forma incomoda). Gostei do produto final, mas em conclusão de uma obra completa,  poderia passar a mesma mensagem e ainda nos deliciar com uma trama mais complexa; Embora eu tenha essa impressão por já ter sido exposta á muitas mídias e criatividade alheia. Wells continua de parabéns já que a novela original foi publicada em meados de 1800, e hoje em 2017, ainda posso ver sua trama acontecendo alí na esquina.

Nota:

3+estrelas