destaques Resenhas

#Resenha: Mary Poppins -P.L. Travers

17, abr, 2018 Laryssa

Título: Mary Poppins
Autor: P. L. Travers
Ano: 2017
Páginas: 192
Editora: Zahar

Sinopse: Carregando uma maleta e um guarda-chuva, Mary Poppins entra em cena voando. Literalmente. Gravada no imaginário das crianças de várias gerações, essa chegada fabulosa da peculiar babá da família Banks abre as portas para muitas outras surpresas e aventuras, como a história da Vaca Dançante, o aniversário no zoológico, um chá da tarde nos ares, delicados remendos no céu noturno… Mary Poppins é durona e misteriosa – e absolutamente irresistível. Publicado em 1934, o livro foi um sucesso imediato e desde então fascina leitores de todas as idades – sobretudo após a adaptação de Walt Disney para o cinema. Essa edição inclui todas as ilustrações originais de Mary Shepard e conta com tradução, apresentação e notas do escritor Joca Reiners Terron, além de cronologia de vida e obra de P.L. Travers. Como extra, traz ainda uma palestra da autora sobre (não) escrever para crianças.

Mary é uma babá rígida, sistemática e  teimosa, ela literalmente aterrisa na casa das crianças Banks, depois de chegar planando em seu enorme guarda-chuva. A família Banks é cheia de pequenos problemas que Mary está determinada a resolver, sempre com a ajuda de mágica é claro. Ok, estava ansiosa por esse livro, assisti ao filme já adulta e me apaixonei pela simplicidade cativante, logo descobri a polêmica acerca do livro e da autora que brigava com qualquer um que alegasse que seu livro se dirigia ao público infantil… Claro que ter composto uma mulher que voa através de um guarda-chuva e faz vacas dançarem não tem nada haver com isso.

Personagens:  Não vou me ater aos demais personagens para não revelar demais, e porque de certa forma eles não me parecem ter uma participação importante na história, tive a impressão de que a família Banks era somente um veículo para passar a imagem objetivada pela autora, ou seja uma alegoria. Apesar de ácida e relativamente seca, Mary representa uma dualidade, exigindo disciplina mas oferecendo um carinho e cuidado incondicional.

Capa, Diagramação e Escrita: Toda a composição do livro está muito delicada, suave – amei a escolha das cores e como o traço simples das ilustrações são cativantes e expressivas. A diagramação da Zahar é polida e impecável, o que torna a leitura muito confortável. A escrita de Travers é estranha… De uma forma instigante, ela ao mesmo tempo que cria situações completamente sem sentido e divertidas, usa estas mesmas para ensinar as personagens e os leitores lições importantes.  A edição ainda conta com comentários e alguns detalhes da vida da autora.

Concluindo: Eu entendo o conceito da autora em dizer que seu livro não é infantil, mas é muito fácil fazer uma má interpretação da trama e dos acontecimentos, assim com Peter Pan, Alice no pais das maravilhas, O pequeno Príncipe, A bela e a Fera e etc.. São histórias fofas, puras e fantasiosas que escondem grandes tópicos existenciais, no caso de Mary Poppins além de criticar o método social e educacional da época, Travers incita que mais do que cuidar das crianças, a babá vem salvar a Família Banks e ensinar verdadeiramente aos patriarcas como viver e ser feliz. Amo esse tipo de linguagem, que por trás do criativo e fantastico nos ensina valores importantes e não só pequenas lições de moral, o que costuma ser mais comum. Travers consegue te conduzir em um sonho e ao mesmo tempo te estimular a contemplar nossa pequena existência.

Quotes

” As próprias árvores, girando e se mesclando à meia-luz, pareciam ter enlouquecido e dançavam, arrancando suas raízes do chão. […] No instante em que a silhueta passava pelo portão, o vento pareceu levantá-la no ar, atirando-a perto da casa.”