Resenhas

Resenha: Faca da agua, de Paolo Bacigalupi

14, set, 2016 Wellington Rafael

Título: Faca da agua
Autor: Paolo Bacigalupi
Ano: 2016
Editora: Intrínseca

Sinopse: Num futuro árido e tumultuado, em que a água ganhou o status de commodity mais valiosa, o direito de uso das fontes e dos rios é alvo de disputas ferrenhas. Uma guerra entre governos, órgãos públicos e empresários, na qual vale tudo.

Enquanto advogados e burocratas armam-se com infinitos processos judiciais, mercenários e militares subjugam proprietários de terra, implodem estações de tratamento e interrompem o abastecimento de regiões inteiras.

Nesse cenário surge Angel, um faca de água, um dos muitos mercenários com a missão de cortar e desviar o fornecimento de água a mando de quem paga mais. Lucy é uma jornalista premiada que decidiu revelar para o mundo a realidade da Grande Seca. Maria é uma jovem cuja vida foi destruída pelos efeitos das mudanças climáticas. Quando o direito de usar a água significa dinheiro para alguns e sobrevivência para outros, o que esses três personagens não sabem é que seu encontro é um marco que poderá mudar tudo. Um novo fiel da balança que sempre pendeu para o mesmo lado.

Futurista, mas nada improvável, Faca de Água é um thriller que perpassa por questões econômicas, ambientais e éticas numa narrativa que extrapola o gênero, daquelas que se lê de uma tacada só e depois leva-se um longo tempo assimilando.

Comecei a ler “Faca de Água” super animado. O livro tem uma capa incrível, as folhas ao redor são pretas e a sinopse que te leva a querer entrar nesse mundo distópico com guerra pela água é incrível. Mas, me sinto decepcionado um pouco.

O começo da história é um pouco lento, tanto na apresentação dos personagens, quanto para você entender realmente a história em si. Não digo que se tornou cansativo, mas demora para você engrenar na leitura – essa é a minha opinião. Uma coisa que eu já aviso para quem vai ler: se você vai com sede ao pote de querer saber como a humanidade chegou a esse ponto, cuidado. A única informação que se sabe é que já está assim a mais ou menos 150 anos, onde se iniciou essa crise toda de água e o mundo sobre por falta dela.

No meio da leitura eu tive aquela sensação de não estar entendendo nada, mas não desisti e só entendi algumas coisas quando terminei de ler. A história é divida em capítulos curtos e se passam em Phoenix, Los Angeles, Arizona, Nevada, Califórnia, Texas, e por onde passa o rio Colorado, que é o local principal da história. Se você não souber exatamente onde fica esses locais, vai ficar meio perdido na leitura. A história se inicia em Los Angeles.

Nevada é o local onde se tem mais água no momento, graça a líder de lá que se chama Catherine Case, que comanda a maior parte de agua que ainda resta no Colorado. Conhecemos Angel, que é um dos “soldados” (podemos chamar de faca de água) da líder Catherine, que é responsável pelas secões em cidades próximas que tentar drenar água do rio em Nevada. Esses “facas de agua” são agentes/soldados temidos por todos, responsáveis por ameaçar cidades inteiras a explodi-las e a cortar o suprimento de agua.

Em Phoenix  conhecemos mais dois personagens importantes na história. Lucy é jornalista e famosa, com grandes prêmios e que decidiu ir para Phoenix para relatar o sofrimento por lá. E é forte, só quer que as pessoas saibam a verdade sobre a falta de água, quer mostrar que existe um nivel alto de corrupção por trás de todo o governo dali, porém ela começa a correr grande perigo quando um amigo seu é torturado e morto.

Conhecemos também Maria, natural do Texas e que vive em Phoenix. Maria mudou depois que seu pai morreu, teve que aprender a sobreviver sozinha e uma de suas amigas – que se prostitui para viver – ouviu de um de seus clientes sobre compra de agua e encontra nisso uma esperança para sair daquele lugar. Porém ela entra em algo perigoso e não contava com tanto perigo, tantas gangues e máfias naquela cidade, ela não estava preparada para nada disso.

Só quando esses três personagens se encontram e começam a se interagir é que a história começa a ficar interessante. Achei interessante o modo como o autor unir os personagens. A partir dessa união começamos e entender a situação em Phoenix, tanto a falta de agua, quanto a corrupção, violência, etc. Desses três personagens, quem mais me impressionou foi Lucy, o modo dela ver o mundo, suas atitudes, algo que ela faz que dá um desfecho diferente para a história, foi algo que achei o mais legal da história. Sua vontade de salvar o mundo é admirável, sua força e sua luta.

O autor mostra o lado real da humanidade – na minha opinião. Ele mostra como as pessoas são se ajudam, como odeiam umas as outras, não se importam, nem mesmo quando elas precisam se unir para sobreviverem. Gostei do final da história, o autor deu uma boa conclusão para esses três personagens. E para deixar claro: Não existe nenhuma faca de agua, em “Faca de Agua”.