Resenhas

#Resenha: Eu sei onde você está, de Claire Kendal

31, out, 2017 Wellington Rafael

Título: Eu sei onde você está
Autor: Claire Kendal
Editora: Intrínseca
Ano: 2017

Sinopse: “Rafe está em todos os lugares. E Clarissa vai encontrá-lo, mesmo sendo a última coisa que gostaria que acontecesse. Vai encontrá-lo na universidade onde ambos trabalham, na estação de trem, no portão do prédio onde mora. As mensagens do homem lotam a secretária eletrônica de Clarissa, os presentes dele abarrotam sua caixa de correio. Desde a noite traumática que passaram juntos alguns meses antes, ela se vê em uma armadilha da qual não consegue escapar. E ele se recusa a aceitar um não como resposta. A única saída de Clarissa para esse pesadelo angustiante são as sete semanas que passará em um tribunal, onde foi escalada para compor um júri popular. A vítima em questão viveu experiências que revelam uma similaridade macabra com a vida da jurada. Conforme o julgamento se desenrola, Clarissa percebe que, para sobreviver às investidas obcecadas de Rafe, será necessário se arriscar. Começa então a reunir evidências da insanidade do perseguidor para usá-las contra ele e relata todo o terror psicológico e físico a que é submetida, o que a obriga a reviver cada momento doloroso que vem tentando desesperadamente esquecer. Escrito de forma primorosa, “Eu sei onde você está” explora a tênue fronteira entre amor e compulsão, fantasia e realidade. Um retrato perturbador de uma mulher perseguida, determinada a sobreviver.”

Nesse livro acompanhamos a história de Clarissa, uma linda garota, com um emprego dos sonhos e uma vida boa, inteligente, divertida, sociável e recém divorciada. Uma mulher comum, porém em perigo. Ela é constantemente seguida e ameaçada por um homem que sabe tudo sobre ela. Em casa, no trabalho, no café, onde ela quer que esteja, recebe bilhetes, cartas, presentes e fotografias. Como ele sabe tudo dela?. Junto com o caso de Clarissa, temos também uma outra história sobre um julgamento onde Clarissa faz parte do júri e para ela, dentro do tribunal é um local a salvo dele. Porém fica desesperada quando descobre que não é a primeira a ser perseguida, porém é a única que ainda está viva.

Foi uma leitura muito intensa, eu imaginei minha mãe, uma amiga, seja qualquer mulher no lugar de Clarissa. Confesso que tem hora que eu sentia raiva dela e queria sacudi-la para acorda-la pra vida. Esse homem fez a vida dela um verdadeiro inferno, não sei como alguém conseguiria ter uma vida perseguida assim, eu não conseguiria. Em certos momentos o homem se torna até irritante, o modo que ele escreve pra ela as vezes e usa um tom de provocação irritante, assinando as cartas com o nome de Clarisse. É um homem doente.

Um ponto importante dessa obra que vale a pena destacar é essa pouca importância que é dada aos casos femininos, podemos assim dizer. O que é a realidade. A forma como a justiça é feita quando uma mulher diz: “fui abusada sexualmente”, “estou sendo ameaçada por alguém”, é com uma falta de consideração, um ar de “você procurou isso” fica no ar.

”Chame a polícia imediatamente – Chame a polícia apenas quando tiver provas irrefutáveis.”

Essa obra mesmo sendo ficção nos mostra a realidade, a realidade de alguém perseguido e abusado, a realidade da justiça.  ‘Eu sei onde você está” é um sinal. A obra é bem rápida e fluída, leitura fácil e prazerosa. O final é bom e você só consegue parar de ler quando chega na última página.