Resenhas

Resenha: Ano Hana – Mitsu e Busters

12, mar, 2017 Laryssa

Título: Ano Hana

Subtítulo: Ainda não sabemos o nome da flor que vimos naquele dia

Autor: Cho-Heiwa Busters

Mangaká: Mitsu Izumi

Ano: 2016

Páginas: 216

Editora: Editora JBC

Sinopse: Quando era criança, Jinta Yadomi criou com os seus amigos o grupo “Super Peace Busters”, do qual era o líder e chamado de “Jintan”.  Até que uma tragédia assola o grupo — a morte de uma das integrantes, Menma. O incidente leva ao desmembramento do grupo e, ao longo dos anos, os amigos acabam se afastando por completo. Só que, um dia, sem mais nem menos, Menma, que deveria estar morta, surge no quarto de Jintan! Será uma sósia…? Uma fantasma…? Qual a razão do “retorno” da garota?!

Jintan é um adolescente deprimido e perturbado, abandonou a escola e a vida depois de ter perdido uma grande amiga na infância. Chegado o verão de seus prováveis dezesseis anos (digo prováveis porque a idade do protagonista não é especificada no mangá), ele acorda com sua amiga Menma (teoricamente morta) ao lado de sua cama, alegando a necessidade de  concretizar um desejo e que para isso ela precisaria de todos os seus amigos de infância, os “Super Peace Busters”.

Jintan é extremamente introspectivo, não vai a escola, não estuda, mal sai de casa, ignora ou é ríspido com todos que encontra, salvo seu pai – embora ele só lhe dirija a palavra quando necessário e de forma neutra. Ele se sente culpado pela morte de Menma e pensa muito nela e no grupo de amigos de infância que ajudou a criar.

O grupo é composto por cinco personagens além de Jintan: Menma – simpática e desastrada tem características mestiças e é bem delicada; Anaru – uma antiga nerd que se converteu em uma patricinha fútil; Poppo – um garoto simples e medroso que se torno um homem forte, independente e aventureiro; Tsuruko – delicada, gentil e quietinha  se torna irônica e ácida embora também muito inteligente e estudiosa; E para finalizar Yakiatsu – particularmente o personagem mais “nojentinho”, aparenta ter muita invejava de Jintan dês da infância e procura competir e humilhar este sempre, embora quando criança admirava o amigo e mantinha uma postura séria e confiável.

Capa, Finalização e Arte: A capa é delicada e possui um efeito aquarelado encantador. Eu imaginava que o traço do desenho seria parecido,  voltado para a influência sentimental e referências shoujo, porém tem uma boa base de comédia e o traçado e backgrounds são comuns e familiares, talvez com uma referência interiorana e montanhosa).

Concluindo: Uma agradável surpresa, eu já havia visto o piloto desse anime e não gostei muito da trama, ela não havia me cativado. O manga (que é finalizado em três volumes pela JBC), mostra características mais divertidas e um drama contido. A arte não se destaca porém também não decepciona, e a trama promete um final emocionante.

Obs:. Não dou nota para primeiras impressões de mangás, somente para a obra inteira.

Imagens:

  Anohana-01-Capa_g

Anohana%u200F1-1024x811

 

anohana2-812x1024

 

anohana1-868x1024

 

anohana3-1024x825

 

a3e5b4adcfc3a11ed09

Obs:. Por motivos práticos e estéticos as imagens foram retiradas da internet.