Críticas Séries slider

#Crítica Gilmore Girls: A Year in the Life

25, nov, 2016 Kaio Lopes

E, finalmente, após muita espera, o dia 25/11 chegou!

Não sei vocês, mas a cada novidade veiculada sobre o revival de Gilmore Girls eu ficava ainda mais ansioso. E, agora, posso dizer com toda a certeza que a espera valeu a pena. Gilmore Girls: A Year In the Life entrega a mesma qualidade que os fãs da série estão acostumados com seus diálogos rápidos, referências ao mundo pop e – muito! – café.

A temporada especial estreou no Brasil às 06h00 da manhã, hora perfeita para ir pegar um café no Luke’s e, enquanto os episódios vão rolando, dá tempo de almoçar no Al’s Pancake World, participar de uma assembleia da cidade e, finalmente, chegar a tempo dos jantares de sexta-feira à noite! Se você não assistiu ainda – ou mesmo se já assistiu e está desesperadamente procurando alguém para conversar – confira um resumo sem spoiler do que acontece nesse ano especial das nossas garotas preferidas da TV!

Com 4 episódios de 90 minutos cada – onde cada um representa uma estação do ano –, o revival acerta ao começar com o Inverno, a estação preferida de Lorelai (Lauren Graham). O episódio é claramente uma homenagem a Edward Herrmann, o ator que interpretou Richard Gilmore que faleceu em 2014 e não teve a chance de participar da volta da série. A história toda se desenvolve a partir da morte do personagem e, mesmo que o assunto seja tratado em todos os episódios e o clima de homenagem continue em todos eles, é em Inverno que sentimos mais.

No decorrer dos outros episódios acompanhamos as três gerações das garotas Gilmore tendo que lidar com várias coisas ao mesmo tempo em que lidam com o luto. Todas elas estão lidando com mudanças e adaptações, cada uma a sua maneira, e é a partir disso que o roteiro se desenvolve. A série é, basicamente, sobre recomeços, não importa em que parte da vida os personagens estão.

Com participações especiais e a volta de vários personagens muito queridos – alguns até inesperados –, a série conseguiu resgatar as características marcantes da produção e direção de Amy Sherman-Palladino e Daniel Palladino, que não estiveram envolvidos com a última temporada da série, o que desapontou alguns fãs mais fiéis. Antes de assistir, confesso que tive a impressão de que a volta de todos os personagens secundários atrapalharia a dinâmica dos episódios, já que teriam que colocar muita gente na história em pouco tempo, mas o casal responsável pelo revival conseguiu acertar o ritmo e deixar essa volta ainda mais especial.

E é exatamente com essa sensação que terminei a minha maratona: de que tinha acabado de assistir algo especial, que foi pensado e feito com carinho para os fãs que acompanham essa série há tanto tempo. Porque, você sabe, Gilmore Girls it’s not just a show. It’s a lifestyle. It’s a religion!

Então, prepare-se para ser Gilmorizado mais uma vez e, não se preocupe: as 4 últimas palavras estão lá e só vou dizer uma coisa: valeu a pena esperar todos esses anos!

Agora, oy with the poodles already.